Category Archives: Criatividade e Inovação

2013 in review


The WordPress.com stats helper monkeys prepared a 2013 annual report for this blog.

Here’s an excerpt:

A San Francisco cable car holds 60 people. This blog was viewed about 2,900 times in 2013. If it were a cable car, it would take about 48 trips to carry that many people.

Click here to see the complete report.

Anúncios

Você é avestruz, galinha ou águia?


Inovação

O consultor em estratégia Ricardo Neves falou sobre os caminhos necessários para chegar ao futuro desejável

Tem telemóvel? Foi com esta pergunta, aparentemente banal, que Ricardo Neves começou sua apresentação na palestra.

Há dez anos, esta pergunta faria sentido, pois a popularização do equipamento não era tão grande como atualmente. Por isso, a segunda pergunta de Ricardo foi sobre quem ali tinha um tablet, 30% da plateia respondeu que possuía o aparelho.

As mudanças são rápidas e, prometem ser ainda mais velozes. As empresas ou mesmo as pessoas podem ter três tipos de atitudes, semelhantes a estas aves:

– Avestruz: enterra a cabeça embaixo da terra e resiste às mudanças;

– galinha: não ousa, segue o fluxo. Como dizem, de grão em grão, ela enche o papo, mas, infelizmente, mais cedo ou mais tarde vai para a panela.

– águia: ousada, muda a rota de voo sempre que for necessário, para se adaptar às mudanças.

Algumas empresas já passaram por este processo de transformação. Quem se adaptou e abriu as portas para a era digital não ficou pelo caminho. Ao surgir uma inovação, uma ruptura de antigos processos, há, também, os processos de decadência, estagnação ou ascensão.

Segundo Ricardo Neves, os países que adaptarem as suas políticas públicas à contenção de impostos, à transparência e à qualidade de serviços prestados serão chamados de “Governo 2.0”.

Outro desafio a ser encarado até 2020 é o da sustentabilidade. Procurar métodos de expelir menos CO² pode ser o caminho. Neves apresentou o exemplo da Alemanha, país que tem a meta de até 2021, zerar a utilização de energia nuclear, apostando principalmente na energia solar.

A gestão de conhecimento também fará muita diferença nas empresas que nela investirem nos próximos anos. Quem recrutar e reter bons “cérebros”, que gostam de inovar, terá um grande diferencial nos próximos anos.

Além dos setores da economia sobre os quais aprendemos desde os tempos de escola (terciário, secundário e primário), outros dois já surgiram graças a esta valorização do capital humano: o quinário, que é o da criatividade e propriedade intelectual, e o quaternário, que gere, principalmente, bancos de dados.

Para que uma empresa cresça nesta década promissora, seguem três dicas de Ricardo Neves:

  • Pense fora da caixa: ouça opiniões diferentes, mesmo que elas pareçam loucas, celebre a diversidade.
  • Inove: se utilizar as fórmulas do passado, você pode se estagnar, procure novas formas de se tornar um campeão.
  • Ouse: mesmo que isso represente ter de dizer para o chefe que ele está errado, a empresa pode crescer com sua atitude.

Inovação para ser Competitivo


As novas e crescentes exigências e os inesperados desafios do mundo atual exigem que se pense de  uma forma diferente.

Assim, a inovação é, hoje, um dos principais fatores que determina a competitividade de setores, países e empresas.

Deve-se entender, porém, que inovação não é algo que ocorre apenas em países desenvolvidos e em indústrias de alta tecnologia. O processo inovativo ocorre, principalmente, quando a empresa domina e implementa o design e a produção de bens e serviços que sejam novos para ela, independente do facto de serem novos ou não para os seus concorrentes. Neste contexto, grande parte das empresas reconhece que a inovação é fundamental para alcançar ou sustentar a competitividade num mercado em acelerada transformação.

 

“Inovação distingue entre um líder e um seguidor”  Steve Jobs

 


Top 10 Innovation Drivers


Because our global headquarters are located in the Adirondack Mountains, we live in a “tell it like it is” culture. We are surrounded by maple syrup producers who are used to boiling things down to their essence. No unnecessary ingredients. No complicated consultant speak. What follows is our distillation of what really works to create a sustainable innovation culture.

In our roles as attendees, presenters, leaders and emcees at various innovation and creativity conferences over the past 20 years, we’ve seen a lot of presentations that offer up suggestions for “how to drive innovation” through systems, processes, procedures, tools, business models alliances, arrangements and so forth. We’ve enjoyed and learned from all of them, and reveled in the debates that ensued. (Two favorites: “Stage-gate doesn’t work,” (George Land) vs. “Stage-gate is the only way!” (Deloitte & Touche) and “Brainstorming doesn’t work” (Larry Keeley, Doblin) vs. “We use structured brainstorming all the time for our outstanding results” (Tom Kelley, IDEO).

We believe the presenters’ assertions that their suggestions really do work — especially in their organizations, with their challenges, in their context. However, we believe the moment someone takes one of these polarized positions, and claims it as The Truth, they fall into the boiling vat of narrow-mindedness and miss the point of what drives innovation. All of these approaches are designed to work around defects, yet fail to emphasize the fact that the main obstacle to — and enabler of — innovation is the human being.

Yes, it all boils down to people.  All of the innovation methods are, at their essence, ways to get people to work productively and collaboratively.

Yes, the biggest obstacle to innovation is people.  And yet the most significant driver of innovation is…people, which bring us to our list. One based on research, curious listening, and the collective experience in driving innovation in hundreds of organizations. Our list emphasizes (guess what?) people. The list…

10 Things That Really Drive Innovation:

1. The Individual

You can ask “an organization” all day long to do something, but the basic building block of getting things done is an individual.  Organizations, departments, divisions, groups, teams, etc. are all things that anthropologists describe.  And they’re all units built from individual people.  So focus on strengthening the primary building block to start moving the needle on innovation. Understand this more deeply by reading “The weakness of “we” and the power of “I” in innovation.”

2. The Team

Individuals make things happen, but in most cases, they can’t do it all byTop 10 Innovation Drivers themselves.  Innovation requires multiple skill sets, whether it’s invention, development, funding, marketing, patenting, operations, etc., those skill sets almost never exist in one person, so multiple people are needed to move it forward. Focus on improving effective and collaborative team dynamics to keep the innovation engine running smoothly. Most often, skill sets require training in a process that everyone in the team can work with. Involving the team in a commonly understood creative and innovation process increases the probability that value driving innovation will see the light of day.

3. The Enterprise

A sad truth is that individuals, in teams, when successful, become resistant to change. The successful innovation team of yesterday becomes the “this is the way we’ve always done it” team of tomorrow. Thought needs to be given to creating and sustaining enterprise-wide procedures, policies, metrics, recognition and executive-level accountability in order to keep the whole innovation vehicle running on the rough competitive road of the business cycle.

The three levels above are important to think about across the following additional drivers:

Top 10 Innovation Drivers

4. Processes

Think about improving the processes that drive innovation, but do so across all three levels described above. The individual level (e.g. processes to enhancing self awareness, emotional intelligence and cognitive ability), the group level (e.g. using a structured “brainstorming” or “ideation” or “creative process” to support teams in creating innovative solutions), and the enterprise level (e.g. the organizational system for creative collaboration or procedures to protect the budget of small new innovation projects from being robbed by the current “organizational favorite” profit generator).

5. Offerings

There are many ways to look at what is “an innovation,” or the artifact of the innovation process.  To only see innovation as “a product” is to overlook services, business models, alliances, processes, channels, and more.  Expanding your scope to see that the BIG innovations were more than just a simple “product,” can change the way you see the world.  The iPod would be nothing but a cool-looking gizmo if we couldn’t easily purchase and load music into it. Listerine Pocket Packs would never have made it to market if the team working on it had not innovated their way through organizational resistance to its market introduction.

Top 10 Innovation Drivers6. Psychological Climate

What are the stories that the individual is telling him/herself about what’s working? What’s not working? What’s acceptable? What’s our industry? What’s its scope?  Does this make a difference to innovation? Absolutely, because how one defines the world will shape the newness that they create and enable. The right amount of personal freedom in the system, and the mental energy to explore new areas are the primary impactors on the psychological climate. Steady attention to the support of an effective psychological climate is a requirement for sustained innovative output.

7. Physical Environment

Are people able to easily get together to communicate and work together?  Are they able to escape and think in peace and quiet? Can they find a space to spread out and dig into prototypes/results/data?  Think about improving the physical space in which people work such that it enables innovation (Hint: everyone has a different concept of the ideal environment).

Top 10 Innovation Drivers

8. Organizational Culture

What are the stories that people tell in the organization about success? What are the ways that people discover and share about how things really get done?  Any process and procedure that is set up usually has a workaround.  What organizational leaders say is often drowned out by what people know is really going on. It’s not enough to just say “Innovation is important!” The organizational policies, management behaviors, things that are measured and executive messaging must all align to create the stories of work that create the culture. If you want innovation over the long haul, look at culture.

9. Economic Climate/Market Conditions

The spot where innovation culture is easiest to maintain is when market conditions are such that there is not too much fear, or too much confidence. These are rare moments in the business cycle. Want to see innovation dry up and fade away? Announce a layoff/cutback/restructuring.  Want to see people start to play it safe and stop putting things at risk? Let people know that sales are down, or that the economy is in the tank.  Similarly, announce market dominance, the best year ever, or give a big bonus. People can get complacent. The smart innovation leader sets money aside to support experimentation when the market is down, and requires (creating real accountability as well) ever increasing innovative output when things are running really well. Parodoxically, research shows most organizations only get radically innovative when they are in “distress situations.”  When there’s no other choice, that’s when people start really changing things up.

10. Geopolitical Culture

Where you were born, where you live, the language you speak, where you work, how you were educated and the culture of those elements all make a difference.  We all know that different cultures communicate differently, see the world differently, perceived different threats, and find value in different things.  Every culture, every education system, has strength and weakness. Be arrogant about your culture at your own innovation peril. Curiously ask: “What cultural strengths can I leverage, and what cultural impediments must I work to overcome?” and you’re clearly on the path to innovation mastery.

Boil all 10 of these drivers down, and it all amounts to people or the output of people. So whether you’re making widgets, gizmos or boiling maple syrup, pay attention to the needs of the people so no one gets burned, and so that innovation can flourish.


Mitos e Características do Empreendedor


Um empreendedor é uma pessoa que chama a si a responsabilidade de construir o futuro em que acredita e que quer ter, e de seguida se aplica a construi-lo.” José António Salcedo 

Mitos sobre o empreendedor:

Mito 1: Empreendedores são natos, nascem para o sucesso

– Realidade:

  • Enquanto a maioria dos empreendedores nasce com um certo nível de inteligência, empreendedores de sucesso acumulam relevantes habilidades, experiências e contactos com o passar dos anos.
  • A capacidade de ter visão e perseguir oportunidade aprimora-se com o tempo.

Mito 2: Empreendedores são “jogadores” que assumem riscos altíssimos

– Realidade:

  • Tomam riscos calculados.
  • Evitam riscos desnecessários.
  • Compartilham o risco com outros.
  • Dividem o risco em “partes menores”.

Mito 3: OS empreendedores são “lobos solitários” e não conseguem trabalhar em equipa

– Realidade:

  • São Ótimos líderes.
  • Criam equipas.
  • Desenvolvem um excelente relacionamento no trabalho com os colegas, parceiros, clientes, fornecedores e muitos outros.

 

 

Caracteristicas dos empreendedores:

  • São visionários

Têm a visão de como será o futuro para o negócio da sua vida e têm habilidade de implementar os seus sonhos

  • Sabem tomar decisões

Não se sentem inseguros, sabem tomar decisões corretas, na hora certa, principalmente nos momentos de adversidade, sendo um fator chave para o sucesso. Para além de tomarem decisões ainda as implementam rapidamente

  • Fazem a diferença

Os empreendedores transformam algo de difícil definição, uma ideia abstrata, em algo de concreto, que funciona, transformando o que é possível em realidade. Sabem agregar valor aos serviços e produtos que colocam no mercado.

  • Sabem explorar as oportunidades ao máximo

O empreendedor é um exímio identificador de oportunidades, sendo um individuo curioso, criativo e atento a informações, pois sabe que as suas possibilidades melhoram quando o seu conhecimento aumenta

  • São determinados e dinâmicos

Implementam as ações com comprometimento. Atropelam as adversidades, ultrapassando obstáculos com uma grande vontade de “fazer acontecer”. Cultivam um inconformismo diante da rotina.

  • São dedicados

A dedicação é 24h por dia, 7 dias por semana ao negócio. São trabalhadores exemplares, encontrando energia para continuar, mesmo quando encontram problemas pela frente.

  • São positivos e apaixonados pelo que fazem

Adoram o trabalho e, este amor, é o principal combustível que os mantém cada vez mais animados e autodeterminados, tornando-os os melhores vendedores dos seus produtos ou serviços, por sabem, como ninguém, como fazê-lo.

  • São independentes e constroem o próprio destino

Querem estar à frente das mudanças e ser os donos do próprio destino. Querem criar algo novo e determinar os seus próprios passos e abrir os seus caminhos.

  • São líderes e formadores de equipas

Têm um sentido de liderança incomum. São respeitados e adorados pelos mais próximos, pois sabem valorizá-los, recompensá-los e estimulá-los formando uma equipa à sua volta.

  • São bem relacionados (networking)

Sabem contruir uma rede de contactos que os ajudam nos ambientes interno e externo da empresa, junto a clientes, fornecedores e outras entidades.

  • São organizados

Os empreendedores sabem obter e alocar os recursos materiais, humanos, tecnológicos e financeiros, de forma racional, procurando o melhor desempenho para o negócio.

  • Planeiam, planeiam, planieam

Os empreendedores de sucesso planeiam cada passo, desde o primeiro rascunho do plano de negócios até a apresentação do plano a investidores e superiores, sempre tendo como base a forte visão de negocio que possuem.

  • Possuem conhecimento

Sedentos do saber e aprendem continuamente, pois quanto maior o dominio sobre um ramo de neócio, maior a probabilidade de sucesso.

  • Assumem riscos calculados

Talvez esta seja a caracteristica mais conhecida dos empreendedores. Assim o verdadeiro empreendedore é aquele que assume riscos calculados e sabe gerir o risco, avaliando as possibilidades de sucesso.

  • Criam valor para a sociedade

Os empreendedores utilizam o seu capital intelectual para criar valor para a sociedade, através da craição de emprego, dinamizando a economia e inovando, utilizando sempre a criatividade de forma a procurar soluões para melhorar a vida das pessoas.

 

 

 


A Moda do Empreendedorismo


O empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será para o século XXI mais que a revolução industrial foi para o século XX” (Timmons, 1990)

Empreendedorismo + Inovação = Prosperidade

 O “velho” Modelo Económico (Era da Manufatura):

  • Conduzido pelos modelos clássicos;
  • Recursos escassos eram materiais raros;
  • Força do trabalho;
  • Retorno pequeno;
  • Economias de escala;
  • Barreiras à entrada;
  • Ativos físicos e
  • Sobrevivência dos maiores.

O “novo” Modelo Económico (Era da Inovação e Empreendedorismo):

  • Conduzido por novos modelos de negócio;
  • Recursos escassos são a imaginação e o conhecimento;
  • Retorno maior;
  • Poucas barreiras à entrada;
  • Ativos intelectuais;
  • Poder do conhecimento e
  • Sobrevivência dos mais rápidos.

Fatores associados com maiores níveis de atividade empreendedora:

  • Perceção da oportunidade;
  • Fatores sociais e culturais;
  • Educação;
  • Participação das mulheres;
  • Experiência;
  • Suporte financeiro para start-ups

O empreendedorismo é o envolvimento de pessoas e processos.

O empreendedor é aquele que percebe uma oportunidade e cria meios para persegui-la.

O processo empreendedor envolve todas as funções, açõe e atividades associadas com a perceção de oportunidades e a criação de meios para persegui-las.

Mas afinal quem é o empreendedor?

O empreendedor é aquele que destroi a ordem económica existente através da introdução de novos produtos, ou pela exploração de novos recursos e materiais” Joseph Schumpeter

É aquele que faz acontecer, se antecipa aos factos e tem uma visão futura da organização” José Dornelas

As definições de empreendedor são inumeras, no entanto em todas elas estão latentes os seguintes aspetos:

  • Iniciativa para criar/inovar e paixão pelo que faz;
  • Utilização dos recursos disponíveis de forma criativa, transformando o ambiente social e económico onde vive;
  • Aceitação em assumir riscos e a possibilidade de fracassar

Empreendedor


Não Precisa de uma Ideia Revolucionária para Criar uma Empresa


Obviamente uma ideia revolucionária ajuda bastante, mas existem algumas características básicas de um produto que já são boas o suficiente para começar a vender.

Tenha boas ideias

O que um produto precisa de fazer para que alguém o compre? Fazer o cliente feliz.

Não importa se vende peças pra foguetes ou pirulitos, desde que o cliente fique feliz, é o que importa.

Se for algo que outras empresas já façam, é bom ter em mente que deve “corrigir algo errado”.

O que um produto precisa ter para fazer o cliente feliz:

  • Credibilidade: Imagina-se comprar pão  numa padaria suja? Ou então comprar um serviço de um vendedor que só cospe um texto pronto, mas não sabe sobre o que fala?

 

  • Utilidade: Não gaste tempo criando algo inútil e não gaste o tempo das pessoas tentando vender algo que elas não precisam.

 

  • Simplicidade: Se o cliente não entende um produto, porque haveria de dispender de tempo a tentar entender? Mostre da forma mais clara possível, qual o benefício em comprar o produto e isso trará bons resultados.

Ao contrário do que dizem, quem tem CUS (Credibilidade, Utilidade e Simplicidade)  não precisa de ter medo. Estes 3 atributos devem estar presentes no produto e sem dúvida que a ideia é boa.

Porém, lembre-se que uma ideia boa não garante o sucesso de uma empresa, como diria o velho Thomas Edison: “Genialidade é 2% de inspiração e 98% de transpiração”.


Porque devemos ser criativos


criatividade

Liga a ficha e sê criativo

Muitas pessoas pensam que a criatividade é apenas necessária para os publicitários, artistas e outros profissionais que frequentemente lidam com a inovação.

A criatividade é sim, vista como a mudança de conceitos e perceções.

Ao falar sobre a criatividade nos negócios ou nas empresas surge a dúvida sobre a necessidade de ser criativo no trabalho, quando a maior parte das nossas responsabilidades não exige o pensamento criativo.

Será?

Sem dúvida que a criatividade é uma das caracteristicas do perfil de um empreendedor. Entre a idéia e  um negócio estruturado, há um longo caminho que exigirá do empreendedor a sua capacidade de adaptação e flexibilidade para lidar com as surpresas que interporão no seu caminho.

O empreendedor trabalha sempre com recursos bastante limitados. Pouco tempo, pouco dinheiro, poucas pessoas, pequena estrutura, pouco espaço… A sua capacidade criativa é determinante para a resolução destes problemas e para a  implementação de soluções devido à falta de recursos.

 

Mas a criatividade também é exigida no nosso dia-a-dia não-empreendedor. Na maioria das vezes, a criatividade não é expressa para criar arroubos inventivos de produtos com tecnologia revolucionária e totalmente inovadora. Como é frequente dizer-se, a criatividade mais importante é a que acontece das pequenas mudanças e melhorias que possuem a essência do pensamento criativo.

 

Criatividade no trabalho… … para resolver algum problema de difícil solução, que exige a procura de um número maior de alternativas do que as soluções tradicionais. … para atender a uma necessidade específica do cliente que está fora do âmbito da empresa … para pensar nas perguntas numa entrevista com um candidato a emprego … para preparar uma apresentação de um trabalho para a direção … para justificar a não entrega de um relatório no prazo … para convencer os colegas a ajudar numa tarefa … para incentivar a equipa a fazer algo que eles não querem, sem forçá-los … para identificar oportunidades de melhoria numa atividade ou processo … para achar argumentos para negociar melhores contratos com os fornecedores e parceiros … para explorar melhor o potencial das pessoas da equipa… para passar o tempo durante uma reunião chata

 

Precisa de ser criativo na vida… … para escolher um presente de aniversário diferente para um amigo próximo … para encontrar alguma saída para sair de um congestionamento, seja alguma forma de contornar o trânsito, algum caminho diferente ou até mudar o destino … para se livrar da obrigação de visitar a sogra no domingo … para escolher os argumentos de pesquisa no Google de forma a aumentar as hipóteses de encontrar exatamente o que procura na rede … para levantar argumentos veementes e inquestionáveis ao defender um ponto de vista durante uma conversa com amigos, ou para vender uma idéia para outras pessoas … para surpreender o adversário no futebol, através de uma jogada inesperada … para escolher um programa para o fim de semana … para convencer o vendedor a lhe conceder um bom desconto numa compra… para escrever alguma coisa interessante no blog

O pensamento criativo deve ser usado em todas as circunstâncias e momentos para ampliar o leque de possibilidades e alternativas de ação de forma a se diferenciar dos demais. Ser criativo, portanto, não é necessário. Muita gente desenrasca-se  bem sem ser criativo. Mas a criatividade ajuda as pessoas a se destacarem da multidão. Ao desenvolver a capacidade criativa, coloca-se num patamar acima dos outros. Enquanto todos estudam as situações para conseguir identificar ‘o que é’, os criativos desvencilham-se das situações para conseguir identificar ‘o que pode ser’.

 

De que lado quer estar?

 

 


Os números de 2011


Os duendes de estatísticas do WordPress.com prepararam um relatório para o ano de 2011 deste blog.

Aqui está um excerto:

Um comboio do metropolitano de Nova Iorque transporta 1.200 pessoas. Este blog foi visitado cerca de 5.200 vezes em 2011. Se fosse um comboio, eram precisas 4 viagens para que toda gente o visitasse.

Clique aqui para ver o relatório completo


Empreendedorismo – O que fazer para ser mais empreendedor?


Após um fim de semana, em que um dos pontos centrais foi o Emprego e Empreendedorismo, no Congresso da Interioridade em Cinfães, pensei em criar um post sobre o tema, sobre o que é, afinal, o empreendedorismo e o que é ser empreendedor.

Assim, define-se empreendedorismo como um processo criador de algo diferente e inovador, sendo o estudo voltado para o desenvolvimento de competências e habilidades relacionadas à criação de um projeto (técnico, científico ou empresarial). Tem origem no termo empreender que significa realizar, fazer ou executar.

A essência do empreededorismo está na perceção e aproveitamento das oportunidades, criando formas de fazer diferentes, no uso dos recursos.

O empreendedorismo é essencial para a geração de riquezas dentro de um país, promovendo o crescimento económico, melhorando as condições de vida da população, sendo um fator importantíssimo para gerar riqueza e receita.

Em qualquer definição de empreendedorismo, encontram-se sempre os seguintes aspetos referentes ao empreendedor:
– Iniciativa para criar/inovar e paixão pelo que faz;
– Utilização dos recursos disponíveis de forma criativa, transformando o ambiente social e económico onde vive;
– Aceita assumir os riscos e a possibilidade de fracassar.

No entanto, arrisco a dizer algumas características que transformam um empreendedor num vencedor:

INICIATIVA
O empreendedor não espera que os outros resolvam os seus problemas, gosta de ser ele a iniciar as coisas novas. A iniciativa é a capacidade de agir quando surge um problema, arregaçando as mangas, partindo em rumo da solução.

AUTO-CONFIANÇA
O empreendedor tem auto-confiança, isto é, acredita em si mesmo. Se não acreditasse, seria difícil para ele tomar a iniciativa. A crença em si mesmo faz o indivíduo arriscar mais, ousar e oferecer-se para realizar tarefas desafiadoras.

ACEITAÇÃO DO RISCO
O empreendedor aceita riscos, no entanto é cauteloso e precavido, partindo do principio que não existe sucesso sem uma dose de risco.

NÃO TEMER O FRACASSO E A REJEIÇÃO
O empreendedor fará tudo o que for necessário para não fracassar, mas não é atormentado pelo medo paralisante do fracasso.

DECISÃO E RESPONSABILIDADE
O empreendedor não esperA que os outros decidam por ele, toma decisões e aceita as responsabilidades que acarretam.

ENERGIA
É necessária uma grande dose de energia para se lançar em novas realizações, empreendedor dispõe desta reserva de energia, vinda provavelmente de seu entusiasmo e motivação.

AUTO-MOTIVAÇÃO E ENTUSIASMO
O empreendedor tem uma elevada quota auto-motivação relacionada com desafios e tarefas em que acredita. Não necessita de prémios externos, como compensação financeira. Como consequência da sua motivação, o empreendedor possui um grande entusiasmo pelas suas idéias e projetos.

TRABALHO EM EQUIPA
O empreendedor sabe que trabalhar sozinho não será vantajoso para as suas ideias e para o seu projeto, assim, ele cria equipas, delega, acredita nos outros e obtém resultados.

OTIMISMO
Ser otimista não tem de ser necessariamente sonhador ou iludido, o empreendedor acredita, nas possibilidades que o mundo oferece, acredita na possibilidade de solução dos problemas e acredita no potencial de desenvolvimento.

PERSISTÊNCIA
O empreendedor, por estar motivado, convicto, entusiasmado e crente nas possibilidades, é capaz de persistir até que as coisas comecem a funcionar adequadamente.

Empreendedorismo não é uma característica intrínseca a alguns indivíduos, por isso, trabalhe para ser um empreendedor.

Empreendedor

Pirâmide do Empreendedorismo

“O empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será para o século XXI mais do que a Revolução Industrial foi, para o século XX” Timmons, 1990


%d bloggers like this: